CEMITÉRIOS DE OBRAS: Ministro do TCU diz que prejuízo no Brasil chega a R$144 milhões

O ministro destacou o que chamou de “cemitério de obras”, que são as obras públicas que estão paralisadas eu semi paralisadas. De acordo com Vital, cerca de 38 mil obras estão nessa situação no Brasil e o esse número representa um prejuízo de quase R$10 bilhões, que foram investidos, mas que as obras não foram concluídos. As obras paralisadas estão orçadas no total em R$144 milhões. De acordo com o ministro cerca de 54% das obras do país passam por problemas por conta de insuficiência de recursos, dificuldades de gestores e mal uso dos recursos.

Para conter o aumento de obras paradas, Vital diz que gestores estão sendo responsabilizados e a indicação sobre recursos federais é clara: “Os prefeitos e governadores que tiverem obras paradas, terão que concluir essas obras para receberem mais recursos”.

Algumas das obras mais onerosas e que seguem paralisadas é a Usina Termonuclear de Angra 3, que já custou R$ 6,68 bilhões (conforme relatório de julho/2018 da Eletronuclear), paralisada desde 2015, inicialmente, pela situação financeira deficitária da Eletronuclear e a dificuldade de se conseguir aumento da margem de financiamento junto ao BNDES. O Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj), prejuízo de R$ 12,5 bilhões (até fev/2015), paralisado desde 2015, em razão de falhas de projeto e de planejamento do negócio. O Porto de Salvador (ampliação do quebra-mar) R$ 3,2 milhões (até dez/2016), paralisado desde 2017, em razão do abando da empresa, após a expedição de medida cautelar por este Tribunal.

Vital disse ainda que acredita que o trabalho dos gestores tem melhorado ao longo do tempo e que sempre foca a necessidade de capacitações.

Entrevista no Canal Dércio Alcântara:

Fonte: expressopb