Bruno Farias empresta dignidade a aliança com Cícero Lucena; vereador tem história e trajetória na política da capital

Pelas especulações de bastidores apreende-se que as forças ocultas, representadas pelo rebotalho socialista que ainda sobrevive nos porões do Governo de João Azevedo, demonstram uma impetuosidade capaz de melar a aliança construída entre Os Progressistas e o Cidadania na capital.

Bruno confere dignidade a Politica

Versões, que circulam com a intensidade dos vendavais, insinuam que o vice de Cícero pode brotar exatamente desses canteiros fortemente adubados pelo excremento da corrupção distribuído com fartura pelo ex-governador Ricardo Coutinho ainda dependente de decisões judiciais para se apresentar como candidato.

Candidaturas, patrocinadas por figuras de destaque no esquema criminoso, livres, leves e soltas pela blindagem dos mandatos, estariam sendo insinuadas como opção para compor a chapa de Cícero Lucena, o que demonstraria que João ainda tem vínculos fortíssimos com o PSB, o que é fácil de perceber pelo grande número de integrantes do Governo passado em cargos de chefia na atual gestão, que apenas trocou seis por meia dúzia nas vezes em que se viu forçada fazer substituições.

É visível o esforço do partido veladamente comandado pelo secretário de Comunicação, Nonato Bandeira, para emplacar o vereador Bruno Farias. Mas, mãos truculentas comandariam um projeto de sabotagem para impedir essa composição.

Bruno Farias emprestaria dignidade a chapa pela trajetória de serviços prestados a cidade e pela idoneidade comprovada nos vários mandatos como vereador reconduzido ao cargo por um eleitor consciente e zeloso de sua cidadania, e que exige dos candidatos compromissos com a transparência no trato da coisa pública.

Bruno Farias tem história e reputação e seu nome ao lado de Cícero seria uma convocação para o restabelecimento da lisura e dessa transparência que a politica exige como antídoto a tudo o que aconteceu de promiscuo na política do Estado.

Compor a chapa de Cícero com legítimos representantes do socialismo abatido pela Operação Calvário assemelhasse a uma transfusão de sangue capaz de prolongar a vida de um moribundo dando nova chance para que a corrupção encontre vielas por onde possa conduzir seus interesses nada republicanos.

O Cidadania não pode abrir mão do nome de Bruno.