Apesar de bem avaliado, João tem mossas na carcaça que pode complicar sua reeleição

Se alguém duvidava, a campanha de 2020 já está em andamento haja vista a movimentação das forças que deverão se confrontar no próximo pleito.

Aliados e adversários em pleno ritmo de campanha em constantes e aceleradas expedições pelo Estado como se pode aferir pelo noticiário, onde as muitas incursões revelam as rotas percorridas atrás do voto do eleitor.

Governo de João tem muito da gestão de RC

As escaramuças também comprovam o clima de guerra e as muitas alfinetadas distribuídas dentro da paliçada que reúne os aliados do Governo demonstrando que a convivência não será nada fácil e menos ainda administrar esse ninho de cobra.

Mesmo acusado pela tímida oposição de inoperante e de não honrar promessas de campanha numa extremada tentativa de pregar no governador a pecha de incapaz – e essa tentativa de diminuí-lo partir de velhos e íntimos aliados, João vem sabendo tirar proveito das dificuldades e se saído de situações delicadas e hostis como as promovidas pela pandemia.

Em um verdadeiro contorcionismo político para conservar unida as forças que se alinharam ao seu Governo – muito mais fiéis ao Governo do que ao próprio governador -, João estaria vivendo o auge de sua gestão, bafejado pelos ventos favoráveis que os recursos bem aplicados estão propiciando.

Esses acertos permitiriam o percurso alvissareiro que o faz percorrer o Estado, escoltado pelos mais astutos e oportunistas agentes públicos, cuja trajetória está repleta de mudanças bruscas, notadamente na hora H, caso as fontes de abastecimento se esgotem.

A fome também está dando sua grande contribuição ao projeto politico de João, e programas sociais sedimentando a imagem do governador junto à grande massa de necessitados.

E o sucesso desses programas abraçado por aliados de todos os naipes, acostumados assumir a paternidade de crianças bonitas, comprovando que o Governo e suas iniciativas são mais atraentes do que o governador.

Mas João ainda não conseguiu se livrar das amarras do passado e sua gestão nunca deixará de ser comparada ao desastre moral que levou a pique o ex-governador Ricardo Coutinho.

São muitos os laços que ainda unem João e Ricardo e a imagem do padrinho, por mais que venha sendo afastada pela sufocante ação de blindagem promovida pela política de comunicação, deve e pode mostrar o quanto ainda estão juntos e misturados os dois velhos companheiros de jornada política.

A gestão de João ainda tem muito de Ricardo e os adversários devem aproveitar essa semelhança para alertar a opinião pública e particularmente o eleitor de que, o velho e criminoso esquema não foi de todo debelado.