Alô, alô pessoenses, acordem!

Pessoenses, acordem! Aproximam-se as eleições municipais e o povo desta Capital continua sem prestar a devida atenção nas suas consequências. Está em jogo o destino de uma cidade onde circulam cerca de um milhão de pessoas.

Pelas últimas pesquisas, na dianteira entre os três aparecem dois candidatos que nem deveriam estar como tal. Ambos andaram sendo envolvidos em investigações criminais pelo Ministério Público e Polícia Federal em Operações muito conhecidas por todos nós pessoenses. Já esqueceram? O que aconteceu com um desses candidatos bem cotado nas pesquisas? Esse político, mesmo tendo sido Governador e Prefeito da Capital, em julho de 2005 chegou a ser preso pela Polícia Federal, sendo conduzido coercitivamente em um carro-xadrez daquela Corporação. Pasmem, neste país onde predomina a impunidade e um político poderoso chegar a ser preso é um fato altamente sério e que demonstra que o mesmo esteve realmente envolvido em ilicitudes contra os interesses públicos como demonstrou a Operação Confraria. Fez parte de partidos políticos tidos como mercantilistas ou aproveitadores como o PP, PMDB e PSDB e atualmente abraça o famigerado MDB (eufemismo de PMDB). Só bem recentemente e depois de gastar fortuna com Advogados é que conseguiu ser elegível graças às brechas da nossa combalida Justiça.

Já com o outro candidato o caso é muito mais grave, como se isso fosse possível, mas é fato. Esse candidato tem o DNA infectado pela CUT, é fruto de movimentos sindicais e do que há de pior entre os partidos políticos, como o PT e PSB. Conforme a Operação Calvário da GAECO do Ministério Público Estadual apurou-se que esse político quando na investidura de Governador comandou uma quadrilha responsável pelo roubo de quase 135 milhões de reais advindos de verbas que deveriam ter sido empregadas nas áreas da saúde e da educação. Terminou sendo preso e encarcerado por alguns dias. Foi solto por benesses de um dos “11 supremos”, muito conhecido por conceder solturas a granel, dependendo do poder econômico do cliente.
Esse mesmo candidato de origem humilde lá de Jaguaribe, entre 1992/93 ainda era um simples Farmacêutico, mas que enriqueceu como num passo de mágica. Segundo dados extraídos da Receita Federal, no ano-base de 2014 esse personagem registrava um patrimônio de R$ 1.405.603,00, figurando em 11º lugar entre os Governadores mais ricos deste país. Como esse cidadão conseguiu formar tamanho patrimônio? Mas vamos deixar esse indivíduo pra lá. Afinal, não cabe a nós ficar “chutando cachorro morto”.

É estarrecedor ver como muita gente desta cidade teima em apoiar esses dois maus políticos. Essa dupla é sinônimo de falcatruas, de mentiras, de lavagem de dinheiro e de outras pirotecnias políticas não republicanas.
Esses candidatos já mostraram do que são capazes e incapazes. São tão desprovidos de qualidade que não apresentam propostas para João Pessoa visando os próximos 30 ou 40 anos. Vejam as suas propostas ridículas e ultrapassadas para a mobilidade urbana baseada apenas em ônibus, menosprezando alternativas mais contemporâneas como VLP, metrô, BRT, uso do rio Sanhauá como via de transporte fluvial. Nem sequer propõem abrigos para todas as paradas de ônibus, o que demonstra real desprezo pela população. Eles só pensam naquilo: o poder pelo poder!
E o eleitor há de perguntar: o que fazer diante desse triste quadro? Fácil: escolher o melhor nome sem histórico em investigações criminais, cristão e independente. Se não existe, vai por aproximação.

Incrivelmente, entre os candidatos à Vereador há vários bem mais qualificados moral e profissionalmente, principalmente os oriundos dos quadros da Polícia Militar do que candidatos à Prefeito notadamente esses dois sinistros candidatos.

Pessoenses! Tenham pena desta Cidade tão gostosa de viver. Tenham pena de nossas praças, ruas e avenidas. Tenham pena da nossa orla marítima, mais parecida com o Caribe. Tenham pena da Lagoa, dos monumentos históricos, da população que vive na periferia, das coisas boas e bonitas desta Cidade, a qual com 435 anos é uma das mais antigas cidades do Brasil. Antiga, mas ao mesmo tempo moderna com bons teatros, amplos shoppings, bons hotéis, calçadões, centros de convenções, bons restaurantes, dezenas e dezenas de cursos superiores.

Enfim, tenham pena dos cofres públicos, os quais já andaram sendo ultrajados por esses políticos em detrimento das necessidades da população desta cidade tão amada por todos nós que também a chamamos carinhosamente de Jampa, Jota Pê, Capital das Acácias, Caribe brasileiro…
Lembro que não citei nome de nenhum candidato. Qualquer semelhança não é mera coincidência.
Que Deus salve a nossa amada Cidade de João Pessoa!

 

Por Arnaldo Costa.