A covardia governa o Estado e não há coragem nem determinação para combater o crime organizado; autoridades tremem perante as milícias

A Paraíba regrediu política e moralmente haja vista os acontecimentos recentes quando os padrões da moralidade caíram aos níveis mais baixos da história do Estado.

Esse Poder treme diante dos milicianos que infestaram o estado

Depois da Calvário, os homens de bem não se incomodam mais em conviver lado a lado com os crápulas, numa harmonia que lembra a dissolução de costumes, que destruiu Sodoma e Gomorra.

Não há mais distinção entre o que é decente e o que não é e o que seria apenas legal se legitima destruindo a máxima de que, o que é legal necessariamente não seria legítimo.

A Justiça na Paraíba não dá nome aos bois

Cafajestes pousam ao lado dos decentes, promovidos ao convívio social pelo terror implantado na calada da noite e muitas vezes à luz do dia como se costuma ver depois do advento da Calvário e da dissecação dos métodos implantados pelo ex-governador e sua quadrilha.

A operação abriu os sarcófagos da imoralidade, escancarou os sepulcros caiados e mostrou a verdadeira face dos hipócritas, dos sacripantas que infestavam e ainda infestam os Poderes Constituídos na Paraíba expondo toda devassidão moral que assolou o Estado nesses oito anos de Ricardo Coutinho, a Besta do Apocalipse.

Poucas vozes se insurgem contra o crime organizado desta tribuna

De tão diluída a corrupção as pessoas que professavam valores morais, que nortearam os ancestrais, perderam a noção de decência e convivem pacificamente e submissas aos criminosos, principalmente com os que resistem descaradamente aos fatos e as evidências de tudo que os compromete e os associa ao crime organizado instalado no Poder nesses últimos anos.

Causa perplexidade a complacência dos que já se pautaram pela ética e pela moral e que agora dormitam nas guaritas do Governo de onde deviam defender o que já defenderam com tanto ardor abatidos pela covardia e pelo medo de se insurgirem contra a criminalidade que cerca e abafa o que ainda restaria de probidade no Governo.

Autoridades fingem desconhecer a criminalidade rondando ao redor

Ninguém pode se arvorar de probo quando convive com o crime de forma tão amistosa e até efusiva a trombetear as falácias produzidas com o intuito de mascarar o roubo ostensivo e descarado que irrigou o bolso dessa quadrilha por tanto tempo e que ainda se mantém intacta nos subterrâneos do Poder a zombar das Leis e dos homens da Lei com acintosa insolência.

A Paraíba vive os dias mais negros de sua história, porque um governante fraco faz fraca uma forte gente: Basta de covardia.