Polícia Militar esquece de combinar com os motoqueiros – e eles não aparecem no Busto de Tamandaré

A Polícia Militar, através de seus superiores, oferece um atestado de incompetência gerencial provando que as mentes de comando não possuem qualquer noção de planejamento estratégico, o que é muito fácil de ser comprovado caso se acompanhe os fatos policiais com certo senso crítico.

Busto vira pista de acrobacias

A carência de efetivo expõe muito claramente essa deficiência de planejamento quando a limitação e quase escassez de policiais obriga a se adotar a criatividade  para suprir essa carência recorrendo aos equipamentos e a tecnologia disponível reconhecidamente abundante em termos de comunicação, viaturas e armamento.

Mas, todos esses avanços em investimentos esbarram na obtusidade crônica dos responsáveis para implantar os recursos humanos e as consequência são terríveis, quando se sabe o desgaste dos superiores perante os subordinados, inteirados dos privilégios e favores concedidos a um reduzido grupo de policiais, que rezam pela cartilha dos comandantes.

Levantamentos feitos por especialistas em Segurança Pública detectam uma certa apatia, um evidente desleixo no comportamento de policiais militares, motivado pela desconfiança de que, os superiores não seriam pessoas probas, que pudessem exigir sacrifícios de uma tropa exaurida física e psiquicamente, manipulada pelo bolso e ameaçada com uma reserva, onde perderá quase a metade de seus vencimentos, quando for para casa.

O resultado é uma polícia de resposta cada vez mais lenta nas ocorrências, efetuando um policiamento cada vez mais de fachada estimulado pela fantasia grotesca, que emana dos superiores, preocupados com cargos e regalias como se pode comprovar na movimentação do pequeno, porém, aguerrido “grupo da bengala”, em constante movimento para não ir para casa, assustado com a perda dos privilégios que a bajulação propicia.

Esse descompromisso com um policiamento eficaz tem contribuído para o aumento dos índices de violência notadamente nas modalidades de homicídios  e roubo ao patrimônio onde a ausência de planejamento nas ações de combate a esses crimes agrava mais o clima de Loucademia de policia trazendo para a vida real os destemperos da ficção cinematográfica que tanto inspira os atuais comandantes muito mais preocupados em garantir os soldos do que mostrar serviço.

O resultado são os desencontros com a necessidade de segurança da população, que vê seu sossego e sua integridade física e patrimonial à mercê dos bandidos e dos moleques, atormentando a vida da cidade com seus ataques e exibições de deboche à ordem pública como se pode comprovar na manifestação de motoqueiros no Busto de Tamandaré como também na explosão de supermercados e outros delitos, que resultam na morte de pessoa em plena luz do dia.

A presença da Policia Militar com todo aparato bélico no Busto de Tamandaré, 24 horas depois da ultima exibição dos motoqueiros fantasmas, seria uma demonstração cabal de que, só chega depois da porta arrombada.

Por mais que se queira levar a sério o trabalho deste comando é quase impossível não se enxergar que falta um mínimo de agilidade mental para a corporação responder aos anseios e necessidades de segurança da população.

E fica evidente que a polícia militar de hoje não tem capacidade para chegar em tempo de impedir que o forte apache seja queimado.

Com o placar de ontem no Busto de Tamandaré, motoqueiros 2 x 0