Chuva de panfletos apócrifos inunda JP atacando Cícero, primeiro colocado nas pesquisas

Uma chuva de calúnias e difamação caiu sobre a cidade de João Pessoa, em forma de panfletos apócrifos, atacando a reputação do candidato Cícero Lucena, Progressistas, primeiro colocado nas pesquisas de intenção de votos, na manhã desta quinta-feira (12), numa demonstração de que, o desespero tomou conta dos adversários.

Os panfletos ainda não identificados a autoria foram espalhados por diversos bairros da capital requentando denúncias contra o ex-prefeito da capital em ação que configura crime eleitoral. A PF já foi acionada pela assessoria jurídica do candidato e a gráfica ou gráficas que, supostamente, imprimiram os panfletos estão sendo investigadas.

Desde as primeiras horas da manhã de hoje, a coordenação de campanha do “caboclinho” vem recebendo fotos de panfletos que foram jogados aos montes pela cidade atacando a honra do candidato e emporcalhando as ruas, sem qualquer identificação de autoria, o que configura crime eleitoral.

Segundo o departamento jurídico da campanha será encaminhada uma Notícia Crime a Polícia Federal informando os locais em que os panfletos foram jogados e serão anexadas provas materiais do crime, solicitando inclusive imagens de câmeras nas ruas onde os criminosos agiram.

Sobre os crimes praticados pelos adversários, temos no Código Eleitoral, a previsão nos artigos 324 e 325. “Caluniar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando fins de propaganda, imputando-lhe falsamente fato definido como crime”, e segue “difamar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando a fins de propaganda, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação”. Além da própria distribuição de material apócrifo que configura crime por si só.

Para a coordenação da campanha, a prática deste “ato covarde e criminoso só mostra que os adversários não estão interessados em debater a cidade, mas apenas atacar a honra de Cícero, transformando a campanha em um festival de baixarias. Além de sujarem toda cidade, mostrando que não respeitam o cidadão”.

Redação com Fatos PB