Jampa News

17/12/2018 s 16:55

Projeto Ninho Uirapuru recebe compositor paraibano

O maestro explica que "Tocar e cantar essas canes com o Quinteto Uirapuru  uma grande satisfao O maestro explica que "Tocar e cantar essas canes com o Quinteto Uirapuru uma grande satisfao

No próximo dia 20 de dezembro, quinta feira, o Quinteto de Cordas Uirapuru volta a cena no Café da Usina, em João Pessoa, as 21:00h, para receber o compositor e maestro paraibano João Linhares.
 
O projeto apresenta uma série de concertos focados em convidados paraibanos e nordestinos, interpretando músicas e canções autorais, revestidos com a sonoridade sofisticada do Quinteto Uirapuru. 
 
O maestro explica que "Tocar e cantar essas canções com o Quinteto Uirapuru é uma grande satisfação. A maioria das canções, muitas delas inéditas, foram compostas há 20 ou 30 anos, assim esse show é um pouco como abrir uma gaveta onde estavam sob sono profundo uma parte importante da minha obra".
 
Ainda, nesta edição, o Ninho Uirapuru contará com a participação especial do também paraibano e baterista Guegué Medeiros, que reside há 15 anos em São Paulo, desenvolvendo trabalhos como instrumentista e produtor na Lamparina Rosa, com significativa atuação na cena musical Paulista.
 
O "Ninho Uirapuru" está dentro do projeto "Palco Aberto" que acontece toda semana no Café da Usina. Os ingressos são limitados e custam R$ 20,00.
 
Sobre o compositor e maestro João Linhares
 
Compositor, arranjador, regente e multi-instrumentista, João Linhares nasceu em Patos na Paraiba. Tem canções de sua autoria gravadas pelos artistas Zizi Possi, Rita Benneditto, Juca Novaes, Luiz Pié, entre outros. Trabalhou como arranjador para a Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo, contribuindo com as obras de Lenine, Rosa Passos, Johnny Alf, João Donato, Flavio Venturini, Joyce, Kid Abelha, entre outros. Na sua trajetória artística, também foi regente convidado de orquestras pelo país, como a Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, Orquestra Tom Jobim São Paulo, Camerata Antiqua de Curitiba e Orquestra Sinfônica da Paraíba. O paraibano também atua na direção musical para grupos de corais, espetáculos de ballet, tango, jazz e orquestras de frevo. Possui projetos locais, como diretor musical, onde tem sua própria empresa e continua a desenvolver seu trabalho.
 
 
 
Formação Quinteto:
 
Rucker Bezerra, 1º violino
Rodrigo Eloy, 2º violino
Paulo França, viola
Leonardo Semensatto, cello
Hercílio Antunes, baixo
 
Sobre o Quinteto:
 
Criado em 2002, o Quinteto Uirapuru vem desenvolvendo uma intensa atividade musical em todo o Brasil, destacando-se pela qualidade e versatilidade em suas apresentações, sempre aclamado pelo público e crítica de norte a sul do país. O Quinteto prima por um repertório brasileiro, dando ênfase a novos compositores, além de composições próprias, e conta com músicos de formação acadêmica com larga experiência. 
Em 2002 foi selecionado para se apresentar para o príncipe Friedrich II da Dinamarca na primeira exposição das obras de Albert Eckhout no Brasil.
Em abril de 2003, lançou o CD Lá em Casa, uma coletânea com artistas paraibanos, onde executa desde obras eruditas consagradas até a mais autêntica música brasileira. No segundo semestre de 2003, o Quinteto firmou uma parceria com mestre Sivuca para lançar o CD SIVUCA & QUINTETO UIRAPURU, que foi lançado em 2004 pelo selo KUARUP. O CD conta com arranjos inéditos feitos especialmente para o Quinteto Uirapuru pelo mestre Sivuca. Composições inéditas e consagradas de Sivuca, Glória Gadelha, Rucker Bezerra e Hercílio Antunes fazem parte desse trabalho que foi um dos grandes lançamentos de 2004, já que consiste em uma formação inédita de sanfona com quinteto de cordas. A apresentação de estreia chamou a atenção da crítica e da imprensa nacional com destaque no Jornal da Band e matéria amplamente veiculada para o canal a cabo Bandnews. No "Centro em Cena-2004", o Quinteto Uirapuru, mostrando ainda mais a sua versatilidade, estreou o espetáculo LUZ, um ballet contemporâneo com coreografias de Evana Arruda e trilha sonora composta por Rucker Bezerra, onde o quinteto executa toda a trilha sonora ao vivo e interage com as bailarinas. O espetáculo foi considerado pela crítica especializada como o melhor do ano, o que rendeu uma turnê nacional nos anos de 2004 e 2005. Entre 2004 E 2012, o Quinteto foi uma das atrações mais festejadas do Festival Internacional de Música do Pará. Em julho de 2004 foi uma das atrações do XIV Festival de Inverno de Garanhuns e fez sua estréia em São Paulo com o lançamento do CD Sivuca & Quinteto Uirapuru.
Em Brasília, a convite da Embaixada da Espanha realizou apresentação na abertura da feira cultural "Espanha mostra o Nordeste". Em novembro do mesmo ano repetiu o sucesso do ano anterior no X Fenar, em João Pessoa.
Em janeiro de 2005, o Uirapuru fez o encerramento do "XIII Festival de Música Instrumental da Bahia" no Teatro Castro Alves em Salvador.
Em maio de 2005 o Uirapuru foi o primeiro grupo de câmera a se apresentar na costa brasileira a bordo do navio M/V Pacific em Fernando de Noronha.
O grande reconhecimento em nível nacional do Quinteto Uirapuru deu-se com a indicação do CD "Sivuca e Quinteto Uirapuru" em quatro categorias do "PRÊMIO TIM 2005", sendo finalista na categoria "MELHOR GRUPO INSTRUMENTAL" e saindo vencedor na categoria "MELHOR ARRANJO"
Desde 2010, o Uirapuru vem desenvolvendo uma pesquisa acerca da Música Armorial do Nordeste e tem se apresentado em Festivais Internacionais de Música.
Em 2016, o Quinteto Uirapuru foi convidado a fazer parte da trilha sonora da novela "Velho Chico", da Rede Globo de Televisão.
 
Em julho de 2017, a convite do governo do Estado da Paraíba, o Quinteto conduziu uma grande homenagem a Belchior. Na ocasião, convidaram quatro instrumentistas para compor a banda base e receberam 10 intérpretes paraibanos no palco com uma plateia de mais de 5 mil pessoas. Este trabalho recentemente fez a sua segunda apresentação n 42º Festival de Inverno de Campina Grande e outras cidades do interior do Estado.
 
Atualmente o Uirapuru esta preparando novo CD autoral.
 
 
-- 
Renata Mora
 

Fonte: Assessoria