Jampa News

06/01/2019 s 09:54

Joo monta equipe provisria de Governo para evitar turbulncias desnecessrias, mas pretende dar um perfil prprio a sua gesto

Euller seria uma pedra no caminho de Joo Euller seria uma pedra no caminho de Joo

Chegaram aos ouvidos do Jampanews, por fontes as mais seguras, rumores que essa equipe apresentada seria provisória e teria como objetivo evitar maiores turbulências, já que o governador empossado não desejava abrir outra frente de combate quando ainda está dentro de uma zona de tempestades onde a vaidade e a ganância ditam as regras, não sendo recomendável muito menos conveniente atiçar áreas de atrito até resolver a questão da presidência da Assembleia Legislativa, um fogo de monturo a queimar perigosamente no interior do esquema socialista cuja pequena erupção já se fez sentir antes do encerramento da gestão de Ricardo, quando pipocaram várias pretensões, sinalizando para o conflito e para a discórdia prontamente abafada pelo que restava de forças ao Mago.
 
Revelando uma prudência digna de velhas raposas da política, João Azevedo preferiu dar consistência ao discurso da continuidade e manter aquietada as facções que se estraçalham dentro do PSB por espaços no poder e na estrutura do Governo.
 
Com um estilo diferente de Ricardo, que adorava essas zonas de conflito e as estimulavas, João Azevedo aparenta preferir a ponderação racional para resolver essa disputa pela sobrevivência interna dos que chegam e dos que já se encontram instalados no Governo, em verdadeiras escaramuças para alojar e desalojar apadrinhados, o que teria levado o não tão neófito João a optar pela solução salomônica da continuidade com o quê conseguiu aplacar as insatisfações já em ebulição.
 
Saúde
 
Como exemplo dos muitos desafios que encontrou dentro da estrutura administrativa do Governo pode se citar a área de saúde onde a privatização criou vácuos de poder preenchidos pela iniciativa privada a dar as cartas dentro do Hospital de Trauma onde a Cruz Vermelha não estaria atendendo aos acordos principalmente no que diz respeito ao pagamento de contratados e indicados pelo Governo para fazerem parte da folha de pessoal.
 
Há funcionários que não recebem desde o desfecho da eleição e o jogo de empurra entre o Governo, a direção do Hospital, e as empresas terceirizadas pela Cruz vermelha se desenrola sem que soluções sejam encontradas para quitar o débito que se avoluma ao ponto de alimentar insatisfações que vão terminar chegando ao conhecimento público tal a gravidade das consequências para os que estão sendo afetados pela inadimplência que prospera no setor.
 
Segundo o Jampanews apurou trava-se uma verdadeira guerra nos bastidores do hospital onde deputados socialistas esbanjam vitalidade para impor regras e condições que favoreçam seus interesses e já teriam entrado em rota de colisão com pessoas influentes pelo grau de parentesco junto ao governador João Azevedo.
 
Essas divergências, segundo as fontes, seriam corrigidas assim que a questão da Assembleia seja resolvida e o Governo possa ter a certeza que naquela casa legislativa não encontrará obstáculos aos projetos vitais para o sucesso da gestão.
 
Segurança
 
Na segurança pública a coisa já teria sido acertada e apenas uma pedra destoaria daquilo que o Governador considera satisfatório para dar novo rumo à pasta, um verdadeiro desastre na gestão que se encerrou, e ela será removida assim que João possa se debruçar novamente sobre essas questões.
 
A pedra indesejável seria o comandante geral da Polícia Militar, Euller Chaves, uma fonte inesgotável de problemas, que podem comprometer o Governo junto a Justiça, inclusive com o risco de reprovação das contas, caso o contestado militar permaneça no cargo.
 
O militar não seria a escolha da preferência do novo governador sendo mantido apenas para evitar burburinhos sendo ele o único a sobreviver à reforma radical que João efetuou no setor mudando do secretário ao comandante do Corpo de Bombeiros restando apenas Euller uma peça fácil de ser removida pela inoperância e pelo desgaste acentuado, além dos muitos problemas que as irregularidades praticadas pelo major-coronel ou coronel major propiciaram.
 
Porque já se sabe nos bastidores que vem uma enxurrada de ações muitas delas tendo como alvo o próprio governador ciente da fraude que promoveu Euller e que pode ter desdobramentos negativos para sua gestão como a reprovação de suas contas. 
 
Por tudo isso, Eulelr se tornou um incômodo dentro do Governo que deve ser sanado assim que o ambiente político permitir. Para essas fontes, o atrapalhado e fraudulento coronel terá vida curta dentro da gestão de João Azevedo a não ser que o governador queria enfrentar essa tempestade de ações contra sua pessoa e sua gestão para manter-se solidário a um agente público acusado de falsificar sua promoção entre outras presepadas que os desafetos estão catalogando para infernizar a vida do repudiado, militar.
 
Para essas fontes que conversaram com o Jampanews, João Azevedo pretende dar um freio de arrumação até o meio do ano quando dará ao seu Governo uma feição mais semelhante ao seu perfil, assegurando continuidade ao projeto, mas identificando e ressaltando o gestor.
 
 
 

Fonte: Redao