Jampa News

14/09/2018 às 09:19

Governo reduz noticiário sobre fuga, mas o tema ainda predomina nas conversas de rua

População continua aterrorizada e cobrando informações sobre captura de fugitivos População continua aterrorizada e cobrando informações sobre captura de fugitivos

O Governo conseguiu retirar de pauta o episódio do PB1 e ao se percorrer o noticiário percebe-se que o assunto já não chama mais atenção de editores, repórteres e comentaristas. 
 
Mas para quem anda nas ruas, quem espera nas paradas de ônibus, quem frequenta os terminais de transporte coletivo, quem vai às feiras livres e supermercados, o assunto ainda domina as conversas e o medo continua sendo o fiel companheiro do paraibano.
 
Mesmo não sendo mais o tema dominante do noticiário, a invasão do PB1 permanece chamando a atenção geral e a declaração do governador, reconhecendo não ter os meios necessários para enfrentar e conter esse tipo de ação criminosa contribuiu para aumentar ainda mais o clima de pavor que se alastrou depois de arrombadas celas e portões do presídio.
 
As conversas de rua rondam em torno da invasão e nos bairros dos arredores do presídio, onde se concentra quase um terço da população da capital, o medo domina os habitantes já cientes de que, o Governo não tem condições de enfrentar a bandidagem.
 
Esse receio se estende aos municípios do litoral sul para onde se supõe tenha fugido parte dos marginais, já que quase a metade ainda se encontra foragida e o Governo deixou de divulgar as prisões efetuadas, não se sabendo quantos ainda se encontram a solta.
 
O último balanço dizia que 51 fugitivos haviam sido recapturados, mas como não se sabe o número exato de foragidos, essas comunidades próximas ao presídio e as que moram no litoral sul continuam apreensivas e aterrorizadas sem saber ao certo quantos bandidos ainda continuam em liberdade.
 
Se o Governo ganhou a batalha na mídia para sofrear o impacto da fuga em massa por outro lado continua perdendo de goleada no noticiário popular onde a imagem oficial está quase desbotada pela demonstração de incapacidade gerencial.
 

Fonte: Redação

Notícias + Lidas