Jampa News

08/08/2018 às 10:49

Deputado critica mais um aumento descabido, chove no molhado e apresenta um assunto que é quase intocável, o aumento dos privilégiados salários gordos

O deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) usou a tribuna da Câmara dos Deputados, em Brasília, para criticar o debate que está sendo realizado e que visa o aumento salarial para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele afirmou que não é coerente fazer esse debate enquanto a pesquisa no Brasil sofre a ameaça de corte. 
 
Durante sua fala, o parlamentar afirmou que nenhum cidadão brasileiro, em sua consciência, permite calado alguns privilégios, algumas regalias que continuam a existir no País. "A consciência do País não comporta mais aquilo que vi no jornal hoje: o debate por aumento de salário dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, que causa um impacto orçamentário de mais de 3 bilhões, enquanto uma bolsa de doutorado tem um custo de R$ 2.200 e uma bolsa de mestrado de R$ 1.200 e há uma ameaça de corte dessa ajuda de custo por falta de R$ 300 milhões. Isso está fazendo com que o Brasil fique travado", afirmou.
 
Pedro aproveitou ainda para ressaltar alguns benefícios que poderiam ser retirados, como por exemplo, da Câmara dos Deputados, para favorecer a população. "Somos incapazes de fazer um gesto como o de acabar com o Jornal da Câmara. Com uma canetada, muda a vida de quem? Se acabar com o Departamento Médico da Câmara dos Deputados para instalarem departamento médico numa comunidade, não seria mais necessário? Será que não seria mais justo reduzir o nosso orçamento, com menos custo, em prol de mais Brasil?", questionou.
 
Após os questionamentos, Pedro falou sobre sua frustração em não ver mudanças por parte da Casa Legislativa. "Tenho certeza de que muito brevemente – eu carrego a frustração de não ter sido nesta legislatura – eu vou abrir um jornal e ver que a Câmara dos Deputados anuncia a redução de 20% ou 30% do seu custo. Aliás, não vai mudar o funcionamento disso aqui. Sabemos disso. Isso serve para o Judiciário, para todos os órgãos que estão sendo chacoalhados. Espero que esse despertar do País conduza nossa Nação, que o cidadão não deixe de pressionar e de se revoltar com o momento que o Brasil vive e com aquilo que podemos viver", concluiu.
 

Fonte: Ascom

Notícias + Lidas