Jampa News

03/04/2018 às 12:35

Delegado da PF fala em “compra” de mandato por Leto e tentativa de homicídio a vereador

O fato teria acontecido em 2013, quando Leto era ainda vice-prefeito. O fato teria acontecido em 2013, quando Leto era ainda vice-prefeito.

Durante a coletiva de imprensa realizada na sede da Polícia Federal na manhã desta terça-feira (3), referente à execução da Operação Xeque-Mate, o delegado federal Fabiano Emídio revelou detalhes da investigação. Segundo o agente, há indícios de que o prefeito afastado e preso de Cabedelo, Leto Viana (PRP), comprou o seu mandato por uma quantia de R$ 5 milhões com o dinheiro sendo viabilizado por um empresário conhecido da Paraíba.
 
O fato teria acontecido em 2013, quando Leto era ainda vice-prefeito. Luceninha, então gestor do município, teria recebido a quantia para renunciar o cargo. Na época, sua saída foi considerada um mistério, já que não havia razão aparente.
 
Segundo Fabiano, a investigação começou há um ano e meio quando o ex-vereador e presidente da Câmara de Cabedelo, Lucas Santino, assinou um acordo de delação premiada.
 
O ex-vereador citou ainda uma tentativa de homicídio a um vereador que seria componente do esquema de corrupção que envolvia lavagem de dinheiro, contratação de funcionárias fantasmas, doações irregulares de terrenos públicos e outros crimes.
 
Entenda
 
Foram presos na manhã desta terça-feira (3), além do prefeito Leto Viana, o presidente da Câmara de Cabedelo, Lúcio José, a primeira-dama, Jacqueline Viana, e mais 8 pessoas, dentre elas mais três vereadores: Tércio Dornelas, Júnior Datele e Antônio Bezerra.
 
Estimativas dão conta de que o esquema teria movimentado uma quantia de recursos do erário de Cabedelo que gira em torno de R$ 30 milhões.

Fonte: Paraibaja

Curta nosso Facebook