Jampa News

12/07/2018 às 06:52

"Coroné" campinense reconhece que monte de gente na política não é bom para o Estado

Eles ainda continuam mandando na política, através de filhos, netos e bisnetos Eles ainda continuam mandando na política, através de filhos, netos e bisnetos

O vice-prefeito de Campina Grande, Enivaldo Ribeiro, botou o dedo na ferida da política paraibana ao se referir ao monte de gente da mesma família que almeja disputar as eleições no estado. 
 
O velho coroné reconhece que as composições eleitorais revelam que a politica na Paraíba se resume a acordos entre famílias que se sucedem e se alternam no poder e a deste ano não foge à regra mostrando que os grupos espalhados pelo estado continuam propagando a hegemonia familiar.
 
São oligarquias que não largam o osso há décadas, passando de pai para filho o bastão do poder como confirma a própria família do vice-prefeito cujas raízes na política se estendem e se encrava no século passado representada pela figura tenebrosa do patriarca Aguinaldo Veloso Borges cujos rastros de autoritarismo e truculência preenchem páginas da história paraibana.
 
Nenhuma das chapas em formação para a eleição deste ano foge à regra tradicional de ajuntamento familiar nem mesmo a do governador Ricardo Coutinho de DNA plebeu, mas ainda à espera desses troncos genealógicos para fechar coligações e já com conteúdo conservador devido à presença do neto do major Veneziano personagem bíblica da política campinense.
 
Então, o que faz o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, é seguir a receita que as oligarquias nordestinas impõem à política e tentar dar início a um novo ramo genealógico nesse universo familiar.
 
O único instrumento capaz de interromper e corrigir essa propensão para a perpetuação das espécimes políticas seriam as urnas, onde o eleitor pode avaliar se vale a pena preservar esse modelo de pai pra filho que se repete a cada eleição. (Jampanews)
 
Esse “monte de gente da mesma família” não é bom, avalia Ribeiro sobre chapa de Lucélio
 
O vice-prefeito de Campina Grande, Enivaldo Ribeiro (PP) ao ponderar sobre “o monte de gente da mesma família ” na chapa formada pela oposição, para as disputas eleitorais ao Governo do Estado este ano, chegou a conclusão que não sabe até que ponto isso pode ser bom.
 
“É um negócio muito complicado, porque você vai ter um monte de gente da mesma família candidato, não sei até que ponto isso é bom, é uma coisa que é necessário analisar”, declarou.
 
As observações de Enivaldo, se dão pelo falo do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), não satisfeito em lançar o nome do irmão gêmeo Lucélio Cartaxo (PV), ao lado da esposa do prefeito de Campina Grande, Micheline Rodrigues (PSDB), agora resolveu anunciar o nome da primeira dama da Capital, Maísa Cartaxo (PV), para também disputar as eleições deste ano.
 

Fonte: Redação/portais