Jampa News

13/05/2019 às 15:53

Caso Bruno Ernesto: ‘rede de vazamentos’ estaria agindo contra RC para constranger Justiça

Informação havia sido antecipada por setores da imprensa, fato que pôs em xeque a lisura do proceder judicial Informação havia sido antecipada por setores da imprensa, fato que pôs em xeque a lisura do proceder judicial

Foi divulgado nesta segunda-feira (13) a informação de que o promotor de Justiça do Ministério Público da Paraíba (MPPB), Marcus Leite, pediu o arquivamento do inquérito que investigava uma possível participação do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) na morte do ex-servidor da Prefeitura de João Pessoa, Bruno Ernesto – que aconteceu em fevereiro de 2012.
 
A informação havia sido antecipada por setores da imprensa, fato que pôs em xeque a lisura do proceder judicial, uma vez que o caso corre em segredo de justiça.Rede de vazamentos
Além da exploração política e midiática do caso, há a suspeita de vazamento de informações sigilosas da Justiça.
 
Em março deste ano, uma ação contendo o nome do ex-governador como réu em um processo envolvendo este caso teve o nome de Ricardo revelado nas consultas – mesmo estando sob sigilo.
 
De acordo com informações do Blog do Tião Lucena, há a suspeita de que advogados e jornalistas estejam por trás de uma rede de vazamentos com intuito de pressionar ações de agentes da Justiça, a fim de comprometê-los ou constrangê-los diante de decisões que envolvam o caso de Bruno Ernesto.
 
MPF já havia descartado
Em maio de 2015, um despacho assinado pelo então Vice-Procurador-Geral da República, Bonifácio Andrada, e pelo Procurador Regional da República, Mauricio Gotardo Gerum, no âmbito do Ministério Público Federal (MPF), deixou claro que não havia evidências da participação de Ricardo Coutinho (PSB) no assassinato de Bruno Ernesto.
 
“Dos autos exsurge que, conquanto minuciosas as informações prestadas, que chegam, inclusive a revelar nomes e fatos concernentes a diversos crimes que já foram ou estão sendo investigados, não se percebe consistência suficiente nos fatos imputados à autoridade com prerrogativa de foro no Superior Tribunal de Justiça, visto que desamparados do mínimo de provas que o vinculem aos fatos criminosos. Não há, portanto, lastro suficiente que viabilize o início de uma investigação”, diz trecho do documento.
 
“Por esse motivo, promove o Ministério Público Federal o arquivamento dos presentes autos”, acrescenta o documento assinado pelos procuradores da república.

Fonte: portais