Jampa News

29/01/2017 às 12:42

Caminhada ecológica em Tambaba deve ser reprimida pelas autoridades, iniciativa atenta contra a maior referência do turismo paraibano; infratores podem responder de acordo com a legislação vigente

Caminhada da Anda Brasil está com os dias contados em Tambaba Caminhada da Anda Brasil está com os dias contados em Tambaba

Tambaba, a maior referência turística do estado, encontra-se envolvida numa polêmica que pode alterar seu perfil de praia de nudismo. Dominada por duas tribos de naturistas a praia se divide entre essas correntes, uma ortodoxa, a Tambaba Nua, que defende a nudez obrigatória, e uma mais tolerante e mais flexível que apoia dividir o espaço com quem não quer tirar a roupa e já pratica e divulga essa tendência através de caminhadas ecológicas que atravessam a praia em toda sua extensão, causando protestos e indignação aos mais empedernidos naturistas.
 
As caminhadas ecológicas, que atropelam as regras e leis ainda vigentes na praia, têm o apoio explícito da Sociedade Naturista de Tambaba ( Sonata), presidida por um oficial superior da Polícia Militar, major Alex. Ele faz questão de se colocar a frente da iniciativa promovida pela guia da Anda Brasil, Rosana Diniz, e aproveita a oportunidade oferecida pela amiga para dar palestras elucidativas sobre a filosofia naturista, ignorando solenemente toda legislação pertinente à praia cometendo infração gravíssima, prevista na placa colocada na entrada da praia advertindo ser crime, passível de punição, o desrespeito as regras do naturismo.
 
Essas duas correntes de naturistas travam um duelo particular pelo controle da praia e a principal divergência entre elas consiste exatamente na proibição ainda em voga do uso de traje no interior de Tambaba. 
 
Se por um lado, a Sonata defende o direito de todos frequentarem o reduto até agora privativo da nudez; a Tambaba Nua faz valer o que dita e impõe a legislação atual da proibição total de pessoas trajando roupas no interior da praia.
 
No meio dessa batalha, a Secretaria de Turismo da Prefeitura de Conde que, de acordo com a nova gestão já expressou através do secretário da pasta, Toti Souto Maior, ser radicalmente contra a abertura da praia para quem não estiver disposto à nudez total. 
 
Toti já manifestou reservadamente essa opinião, que se fará oficial em momento oportuno e já adiantou que irá proibir as caminhadas ecológicas dentro da praia por considera-las inoportunas e ilegais e estaria disposto fazer prevalecer o que diz a legislação ainda vigente, inclusive recorrendo à força policial, caso os promotores da caminhada insistam em realiza-la como tem acontecido. 
 
Segundo Toty, essa gestão está focada na defesa da legalidade e o que não for legal será terminantemente proibido.
 
O secretário não manifestou ainda oficialmente seu posicionamento, mas assessores próximos a ele já anunciaram que Toty vê com muita preocupação esse tipo de inovação, que estaria colocando em risco a principal atração da praia que é a nudez obrigatória e, por ser Tambaba a maior referência do turismo paraibano, não pode ficar exposta a essas questiúnculas que, no fundo, revelariam apenas o oportunismo e a falta de compromisso de certos grupos com a preservação da marca Tambaba.
 
“O estado nem o município podem comprometer um destino do porte de Tambaba, que atrai pessoas do Brasil e do Mundo, para atender pequenos e subalternos interesses de pessoas que estão apenas visando lucro pessoal ou satisfações íntimas, explorando a pretexto de preservação e divulgação do Meio Ambiente, uma marca que já se consolidou internacionalmente e que é responsável pela imagem da Paraíba fora de suas fronteiras”, diz um assessor do secretário revelando oficiosamente o pensamento do gestor sobre a questão que vem incendiando a praia.
 
Sonata e as caminhadas ecológicas
 
Segundo se sabe, a Sonata é uma sociedade civil de interesse público que há anos habita o universo de Tambaba e incorporou a sua imagem já que atuou solitariamente em defesa do naturismo por muito tempo. No entanto, divergências internas levaram à divisão e os insatisfeitos com os rumos tomados pela entidade romperam e fundaram outra entidade denominada Tambaba Nua cujo presidente é o proprietário da Pousada, localizada no interior da praia há mais de 30 anos, desde quando Tambaba ainda não era referência como destino turístico, e que se chama Hildebrando.
 
Ao contrário da Sonata, a Tambaba Nua é legalmente constituída e em dia com suas obrigações como entidade civil de interesse público, registrada na Junta Comercial do Estado, com CNPJ e tudo o mais que a legislação exige para a existência e atuação dessas sociedades. 
 
Já a Sonata não apresenta esse caráter legal e obrigatório e quem pesquisar vai encontrar restrições ao seu CNPJ por desorganização contábil, o que criar uma série de dificuldades e impedimentos para a entidade que, mesmo assim conseguiu se filiar a Federação Nacional de Naturismo numa prova flagrante de que, esses critérios básicos da legalidade não são levados em conta nem pela afiliada e muito menos pela federação.
 
Que a Sonata não se preocupa em estar apta diante da legislação vigente é algo notório já que a eleição do major Alex aconteceu em clima de total irregularidade desde quando os sócios que votaram de forma açodada o seu mandato, não atendiam aos requisitos essenciais para votar como, por exemplo: estarem em dia com a anuidade, requisitos que constam no estatuto da entidade.
 
Segundo comentários de antigos sócios e dirigentes da entidade, que estariam se movimentando para checar essas irregularidades e denuncia-las as autoridades competentes, muitos dos que votaram sequer estavam presentes e quem votou por eles votou sem a devida e indispensável procuração legal.
 
São denúncias que serão encaminhadas ao Ministério Público, acompanhadas de boletos e extratos bancários, mostrando saldo correspondente à época a quantia de R$ 13.187,51, que não se sabe onde foram empregados, e outros imperativos legais que terão de ser detalhadamente explicado e justificado pelo atual presidente major Alex cuja formação militar não deveria compactuar muito menos endossar esse tipo de comportamento de flagrante desmando e desrespeito aos preceitos legais.
 
O mandato do major Alex se estende por seis anos e durante esse tempo a marca de sua gestão é a defesa intransigente da presença de homens desacompanhados na praia e a revogação total da obrigatoriedade da nudez. 
 
Constrangimento
 
A presença marcante e numerosa de homens desacompanhados na praia tem criado constrangimento em Tambaba, e são muitas as reclamações na portaria a respeito do comportamento insolente deles, com muitos assediando mulheres, mesmo as acompanhadas, o que já ocasionou desentendimentos sérios entre frequentadores, pouco acostumados a essas inovações implantadas pelo presidente da Sonata.
 
A senha para a entrada desses rapazes de libido exacerbada em Tambaba é simples e restringe-se a uma única explicação: “sou amigo do Major”. E assim estão abertas as portas do paraíso do naturismo paraibano e nem precisa mostrar carteirinha de naturista, aquelas generosamente distribuídas pela Sonata em nome da democracia plena na praia.
 
Caminhada Ecológica
 
A próxima caminhada ecológica está prevista para 18 de março e o clima de expectativa é grande, pois a polêmica deve descambar para o Judiciário já que existe uma tendência de levar a iniciativa para apreciação da Justiça. 
 
Até lá a Secretaria de Turismo deve se pronunciar a respeito do assunto e pelas palavras do titular da pasta, ela não deve ser realizada por apresentar caráter ilegal e contrariar os interesses maiores do turismo paraibano, resumindo-se apenas a uma iniciativa isolada e de objetivo pecuniário, promovida para arranjar caixa para certos empresários acostumados à ilegalidade e a clandestinidade e que brevemente serão fiscalizados para que as autoridades tenham conhecimento do perfil jurídico de suas empresas.
 
 
 
 
 

Fonte: Redação

Comentarios da notícia

Curta nosso Facebook