Jampa News

11/06/2018 às 18:18

Apenas 24% das famílias brasileiras pretendem gastar com a Copa do Mundo

O levantamento foi feito em todas as capitais e respectivas regiões metropolitanas O levantamento foi feito em todas as capitais e respectivas regiões metropolitanas

A 3 dias do início dos jogos na Rússia, apenas 24% das famílias brasileiras têm intenção de comprar itens relacionados à Copa do Mundo. O total representa menos da metade dos registros de intenção de consumo às vésperas da Copa realizada no Brasil em 2014, quando a taxa alcançou 50,1%.Os dados foram divulgados nesta 2ª feira (11.jun.2018) pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).
 
O levantamento foi feito em todas as capitais e respectivas regiões metropolitanas, entrevistando cerca de 18 mil consumidores. Os produtos mais procurados deverão ser alimentos e bebidas (9,9%), itens de vestuários masculino, feminino e infantil (7,5%) e aparelhos televisores (4,3%).
 
Em todas as categorias, entretanto, as intenções atuais de gastos são menores do que as relatadas antes da Copa passada. Em 2014, gastos com alimentos eram de 21,5%, de roupas, 14,3% e de televisores 13,3%.
 
As maiores intenções de consumo de alimentos e bebidas foram relatadas em São Luís, somando 30,7%. No setor de vestuário, Boa Vista lidera com 23,3%. No caso dos televisores, a maior taxa foi registrada em Manaus, 12,6%.
 
Dos que pretendem consumir, 51,6% devem gastar pelo menos R$ 200, sendo que 39,2% declararam intenções de consumir mais de R$ 300.
 
Entre as famílias com renda mensal superior a 10 salários mínimos, 16% dos entrevistados, 50,6% afirmaram pretender gastar mais de R$ 300 nesta Copa.
 
LOCAIS DE COMPRA
Quanto ao meio de aquisição, 83,8% dos consumidores devem se dirigir às lojas físicas. A modalidade é preferência de 85,6% das famílias com renda média mensal menor ou igual a 10 salários mínimos.
 
As compras online ainda não representam 5% do faturamento anual do comércio brasileiro. E, segundo 63,6% dos entrevistados, os gastos serão pagos à vista.
 
Curitiba (83,0%), Boa Vista (72,9%) e São Paulo (72,1%) destacam-se das demais áreas na incidência de pagamentos à vista.
 
SENTADOS NO SOFÁ
A pesquisa avaliou as intenções quanto ao local de consumo de comidas e bebidas. Nesse sentido, 53,2% dos que pretendem gastar assistirão aos jogos em casa e 18,8% em bares e restaurantes. Para 28% não há diferença quanto ao local de consumo.
 
Do ponto de vista regional, os consumidores de Porto Alegre (72,7%), Macapá (72,5%) e Palmas (70,5%) são os que mais vão gastar para assistir em casa. Enquanto os de Belém (31,3%), Curitiba (24,9%) e Salvador (24,6%) são os que mais irão assistir fora.
 
“Naturalmente, além do menor envolvimento da população com o próximo Mundial a se realizar no exterior, as condições de consumo em 2018 ainda se encontram menos favoráveis do que há quatro anos. A despeito de o País já ter deixado para trás o processo recessivo, a recuperação da economia e do consumo segue lenta e sujeita a oscilações”, aponta Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC.

Fonte: Poder 360